- guia de um ordinário vernáculo -


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

ÚLTIMOS

ÚLTIMOS

Sou um agonizante,
passei a noite em claro,
passei o dia gemendo
(e chorando: eis um vale
de lágrimas).

Tudo se repete.
Outra vez
me vejo nessa situação,
mas agora é novidade!
Nunca senti essa aflição...

A verdadeira dor não permite
muitos pensamentos.

E o poema se perde nas minhas
entranhas doloridas.

Como é triste, meu Deus, viver!

12/02/2010

1 comentários:

Letícia disse...

O poema é bom, e eu tenho uma mensagem pra você http://asminhasbreguices.blogspot.com/.

Postar um comentário